Logon seguro
          

     

 
Traduzir esta página para Francês   Traduzir esta página para Inglês    Traduzir esta página para Espanhol    Traduzir esta página para Italiano    Traduzir esta página para Russo    Traduzir esta página para Chinês simplificado    Traduzir esta página para Japonês    Traduzir esta página para Português    Traduzir esta página para Árabe    Traduzir esta página para Chinês Tradicional     quarta-feira, 14 de abril de 2021   -  New York 21:00   -  Londres 02:00   -  Paris 03:00   -  Hong Kong 09:00  
Quem Somos  |  Metodologia |  Pressione  |  Contatos  |  Período de Avaliação Gratuita   |  WebTV 
 

1 Visão Geral
1.1 Por que análise técnica: a falta de análise fundamental
1.2 Análise técnica a fim de ter uma maior atenção da psicologia
1.3 Análise de Dow e a psicologia dos investidores sobre anúncios
1.4 Opinião contrária

2 Base da análise técnica
2.1 Resistências horizontais e suportes
2.2 Resistências oblíquas e apoios: a base de tendências e canais

3 Figuras
3.1 Consolidação das Figuras
3.1.1 Triângulos simétricos
3.1.2 Bandeira
3.2 Figuras Formais
3.2.1 Topos duplos e fundos duplos
3.2.2 Cabeça-e-ombros

4 FIBONACCI : um indicador avançado

5 Indicadores de tendência
5.1 Apresentação de indicadores
5.2 Indicadores úteis
5.2.1 As médias móveis
5.2.2 As faixas de Bollinger
5.2.3 O MACD
5.2.4 O DMI

6 Indicadores de Contra-tendência
6.1 Apresentação
6.2 Níveis de Oversold (excesso de venda)/ Overbought (excesso de compra)
6.3 Divergências
6.4 Valores gráficos
6.5 O RSI
6.6 Oscilador Estocástico (por METASTOCK)
 

1 Visão Geral

1.1 Por que análise técnica: a falta de análise fundamental

A análise técnica tem uma abordagem completamente diferente para a estimativa dos níveis de compra e venda em comparação com os análise fundamental.

Certamente, a análise fundamental, tal como utilizada por analistas de bancos (levando a recomendações), se baseia, principalmente, em índices financeiros relacionados com os fundamentos da empresa.

Deste modo, índices como o preço das ações sobre os ganhos esperados, capitalização de mercado em volume de negócios, nível da dívida, serão estudados... As normas são determinadas, elas permitem determinar o nível de risco associado a uma aquisição ou venda de uma parte. Por exemplo, uma norma bastante comum consiste em olhar principalmente para ações cujo preço da ação / expectativa de lucro por ação é inferior a vinte anos, o que é considerado como um limite maior. Da mesma forma, um maior nível de capitalização de mercado / volume de negócios representa cerca de dois anos.

Ainda assim, este método pode faltar alguns elementos. Tomemos o caso da ações de TI no início do ano. Muitas dessas ações atingiram um preço de ações / relação de lucro acima de 100 / volume de negócios acima de 10. De um ponto de vista fundamental, como podemos nos comportar? Ou nós estabelecemos novas relações, específicas para a "Nova Economia", o que pode levar algum tempo, ou vamos ficar com as relações anteriores, o que leva a evitar algumas boas oportunidades.

Além disso, muitas vezes, parece que a evolução do preço das ações não reflete, necessariamente, os fundamentos reais das empresas, como efeitos de reações exageradas são bastante comuns, sobretudo em relação aos anúncios.

Voltar ao topo da página

1.2 Análise técnica a fim de ter uma maior atenção da psicologia

Por seu lado, a análise técnica vem de uma teoria financeira simples: em um período T de tempo, um preço das ações reflete com precisão todas as informações disponíveis sobre esta ação, toda a sua história. Isto é devido ao fato de que o tempo é considerado como contínuo, como qualquer variação do preço determina um novo nível, o que constitui uma nova base para mais variações. Assim, é possível utilizar a evolução dos preços, em diferentes níveis, para tentar determinar outras evoluções prováveis.

Ainda assim, essa identificação de variações de direções e extensões não é auto-explicativa. Na verdade, torna-se rapidamente óbvio que os efeitos psicológicos (tais como os efeitos de limiar ou o comportamento dos indivíduos em comparação com a dos investidores institucionais) podem, realmente, ser tão importante como reflexos de pura técnica. Assim, as opiniões opostas podem acontecer em função de informações semelhantes. Isto é, ainda sobre este princípio que os preços das ações são determinados como eles se reproduzem a um consenso de mercado entre compradores e vendedores.

Então, a análise técnica não pretende, por si só, determinar razões específicas para variações das ações, mas sim medir a sua evolução e, se possível, a determinação do seu provável comportamento futuro.

Esta abordagem permite, então, a ter uma maior contribuição da psicologia dos operadores.

Na verdade, o “para cima e para baixo” que move os mercados está, quase sempre, seguindo as tendências a curto ou longo prazo. Estas tendências são baseadas na abordagem dos investidores sobre as ações, pessimistas (urso) ou otimistas (touro). A situação otimista é caracterizada pelos preços de ações sempre mais altos, mesmo que os fundamentos não justifiquem de todo esse aumento. Os índices estão aumentando, o que pode levar os analistas a vender as ações.

Ainda assim, isso é, frequentemente, tão acima das tendências que os indivíduos, lentamente, se convencem de que pode ser sábio comprar, assim como o potencial de subida é significativamente reduzido. Esta observação é um exemplo de um efeito "sheep like” nos mercados e, portanto, o interesse de pertencimento aos primeiros beneficiários dos movimentos.

Voltar ao topo da página

1.3 Análise de Dow e a psicologia dos investidores sobre anúncios

O próprio Keynes defendeu no seu principal livro, a Teoria do emprego, juros e dinheiro (1936) que "a maioria dos investidores e especuladores profissionais se importam menos sobre como fazer previsões precisas a longo prazo, do que previsão um pouco antes do público e das próximas mudanças na escala de avaliação convencional ". Esta abordagem segue a análise inicial de Dow, o criador do índice de mesmo nome, e do Wall Street Journal. A Teoria de Dow é um aspecto central da análise técnica e vale a pena desenvolver.

Na verdade, a Dow é entendida entre as primeiras a importância do "timing" e reatividade. Seu modelo reside na ideia de que, quando as ações estão indo para baixo, haverá sempre investidores mais agressivos e melhor informados dispostos a comprar ações na previsão da recuperação ( "compradores agressivos", passo "a" no gráfico), enquanto indivíduos estão se livrando de suas ações. Após este período, há a melhoria dos resultados da empresa, tendo os investidores sentindo-se mais atraídos pelas ações (acúmulo "," etapa b "). Esta fase de melhoria é, provavelmente, uma pressão de compra muito elevada nos indivíduos, dispostos a participar no que consideram um movimento perpétuo. Este período é para os primeiros investidores uma oportunidade para vender (distribuição "," c "passo"), prevendo o próximo acontecimento...

Essas diferentes análises vêm de pontos essenciais, que devem ser claramente definidos. Entretanto, cada investidor concebe os conceitos dos preços para cima ou para baixo e ainda precisa ser entendido como isso se expressa graficamente e em preços.

Por exemplo, uma tendência ascendente é caracterizada por baixas cada vez maiores, enquanto uma tendência descendente caracteriza-se por cada altas cada vez menores.

Esta abordagem das tendências pode parecer insignificante, mas é realmente essencial para integrar os princípios da construção de indicadores técnicos.

Voltar ao topo da página

1.4 Opinião contrária

Em uma continuação da teoria de Dow, Neil (1954) desenvolveu o princípio da “opinião contrária”.

Este sistema encontra-se na idéia de que sempre todos os investidores têm a mesma opinião no mesmo momento, e é muito improvável que esta opinião vá se materializar em fatos ... Isto é, se todos estão otimistas, o que é deixado de comprar ?

Essa abordagem pode parecer extremamente sistemática e perigosa, mas ainda está na continuação lógica de Dow.

Na verdade, segundo a teoria deste último, o segundo período corresponde a uma fase de crescente confiança nas ações, associada à sua aquisição por um número crescente de investidores. Assim, no início da terceira fase, todos os investidores, que estão otimistas em relação às ações, já compraram, enquanto os primeiros "compradores agressivos" estão vendendo. Podemos, então, nos perguntar quem serão os compradores de ações para permitir a continuidade de sua ascensão! O mercado teria mesmo uma tendência de queda assim que os primeiros investidores se livrarem de suas ações.

Assim como para estimar os níveis de sensibilidade, os investidores utilizam principalmente as pesquisas de opinião relacionadas à confiança dos profissionais: um nível de confiança muito elevado é provável que indique uma situação de compras exageradas, anunciando uma inversão no sentido descendente. Uma situação simétrica poderia naturalmente ser tratada no sentido descendente.

Voltar ao topo da página

2 Base da análise técnica

2.1 Resistências horizontais e suportes

A noção de suportes e resistências é um dos pontos-chave da análise técnica. É, principalmente, baseado na idéia de que as decisões de compra e venda são, em parte, devidas, em ambos os níveis (individual e de mercado), por razões psicológicas.

Assim, os efeitos iniciais podem ser muito eficazes. Um nível é considerado como um suporte se, cada vez que uma ação tenta quebrar esse limite para baixo, ela não consegue isso e as pontas apóiam. Se tomarmos o exemplo de Vivendi (ver gráfico), podemos ver que a ação chegou ao nível de 100 euros por diversas vezes em abril e maio, portanto, 100, pode ser considerado como um apoio.

Nós também podemos encontrar níveis psicológicos em sentido ascendente, impedindo que a ação cresça acima de determinados níveis: eles são então chamados de resistências. Podemos, por exemplo, identificar uma resistência na área de 100 euros para o Casino, como mostrado.

No entanto, esses níveis, uma vez testados, podem ser cruzados para cima ou para baixo e, assim, obter a função oposta. Por exemplo, sobre a ação da Alcatel, a 50 euros foi usado para constituir uma resistência. Ainda assim, foi finalmente cruzada e se transformou em um apoio.

A existência de tais figuras é também devido ao princípio da memória dos mercados. Na verdade, os investidores se lembram dos pontos anteriores de reversão e são, portanto, capazes, ao se aproximarem destes níveis, de agir em conformidade. Essas antecipações, assim, por sua vez, reforçam a força do limite, suporte ou resistência. No caso de apoio, os compradores são os únicos a recordarem da situação anterior e a ganharem, enquanto os vendedores e compradores outclass no caso de resistência.

Voltar ao topo da página

2.2 Resistências oblíquas e apoios: a base de tendências e canais

Embora essas figuras sejam facilmente reconhecíveis em um nível horizontal, uma vez que muitas vezes correspondente a princípios técnicos e psicológicos, este não é o caso dos suportes e resistências oblíquas, ou seja, linhas de tendência.

Na verdade, muitas vezes, é possível ter linhas oblíquas aparecendo, nas quais as colisões das ações (resistência) e rebotes (apoio), como mostrado por ambos os gráficos. O interesse previsto das linhas de tendência reside na capacidade de determinar metas para cima e para baixo e otimizar o sincronismo.

É ainda possível identificar as combinações paralelas dessas linhas, formando canais, posições para cima ou para baixo (ver gráficos). O preço, portanto, vem colidindo com a parte superior do canal e desembarca em sua parte inferior.

Estas tendências são extremamente fortes e expressam a memória dos mercados, como os canais podem ser válidos simultaneamente a curto e longo prazo. O poder dessas tendências explica que, sempre que chegar ao fim (dizemos que o canal é "quebrado", muitas vezes para baixo de um canal acima e para cima de um canal abaixo), uma forte volatilidade ocorre, o que pode levar a ação a introduzir uma tendência inversa. Esta situação pode ser precedida pela evolução das ações nas zonas intermediárias ou canais do canal, sugerindo que a tendência está prestes a ser invalidada (ver gráfico).

Embora seja muito difícil, quando não há sinais evidentes (resistência horizontal, canal intermediário, ...), para prever o momento em que o preço vai sair do canal, ainda é possível estimar a extensão do movimento seguinte. O princípio que ocorre é simples: basta mover a largura do canal em que o preço saiu do canal em direção à saída.

Os canais podem também ser encontrados em uma configuração horizontal, em seguida, eles são chamados de "intervalo". Estes valores indicam um mercado pouco entusiástica acerca dos rumos a variação do estoque ou do índice.

Este último está, então, evoluindo em torno de um nível horizontal médio. Sempre que esses intervalos são quebrados (e ele é, então, menos óbvio para determinar a nova direção em relação ao caso de um canal de tendência), o alvo é definido como outros canais, movendo a largura do canal do ponto de saída na direção que o estoque tomou.

Voltar ao topo da página

3 Figuras

3.1 Consolidação das Figuras

Voltar ao topo da página

3.1.1 Triângulos simétricos

Para além dos canais, é importante notar que as associações de linha de tendência são necessariamente paralelas. É possível ter outras figuras importantes aparecendo, os triângulos são os mais comuns. Eles não constituem figuras de tendência, mas de consolidação.

Figuras de triângulo simétrico (ver gráfico abaixo) são as mais utilizadas. Elas são formadas por uma linha de resistência para baixo e uma linha de apoio para cima. O preço à vista, assim, vem batendo contra a linha superior e desembarca na linha inferior, em movimentos cada vez menores devido ao cruzamento de duas linhas de tendência. Quanto mais vezes o preço vem em ambas as linhas, mais válida a figura é (sendo o mínimo de curso de dois impactos, de modo a determinar a orientação de linhas).

Essa figura é bastante comum no caso das tendências à longo prazo. Isto é, a direção de saída quando o valor é quebrado é na continuação da direção da entrada. Esta saída ocorre normalmente antes do topo do triângulo, geralmente perto de três quartos do seu comprimento (medido a partir do impacto na segunda linha de tendência). A forma da própria figura, ficando mais estreita, explica que o "poder acumulado" pela ação de repente aparece no final da figura, as partes se deslocam consideravelmente, muitas vezes com volumes muito mais elevados.

Com esta formação, também, é possível determinar metas. Na verdade, está muitas vezes de pé, no caso de uma consolidação para cima, sobre a linha paralela à linha de apoio a atravessar o primeiro ponto de impacto (linha de resistência). Outro alvo corresponde à altura do triângulo usado no ponto de saída. Em ambos os casos, esse nível deve ser atingido antes da data correspondente ao topo do triângulo (ver gráfico)

Voltar ao topo da página

3.1.2 Bandeira

Outra forma de consolidação existe, sob a forma de um canal, chamado de bandeira. Ela corresponde a uma ligeira diminuição do canal (no caso de uma tendência de subida) ou um ligeiro aumento do canal (no caso de uma tendência de queda). Em termos de metas, esta figura geralmente ocorre no meio de uma tendência, o que significa que se pode mover a altura do segmento anterior da bandeira para a saída da figura.

Voltar ao topo da página

3.2 Figuras Formais

Voltar ao topo da página

3.2.1 Topos duplos e fundos duplos

As figuras anteriores estão todas relacionadas com as linhas de tendência de modo a delimitá-las. Ainda assim, existem outras figuras, chamadas figuras formais, que são definidas por sua aparência única.

Em seguida, são figuras de reversão: a tendência das ações é reverter nestes níveis. O mais significativo destas figuras é o topo duplo (na cabeça) e do duplo fundo (do lado descendente). Como mostrado abaixo, estas formações correspondem a dois topos consecutivos (ou fundos).

Estas figuras são freqüentemente caracterizadas por um menor volume durante o segundo extremo, mostrando o interesse reduzido dos investidores e a expectativa de uma reversão de tendência.

Em termos de meta, ele pode ser encontrado por mover a altura do topo duplo (ou inferior) figura em si, ao nível do fim da figura (ver gráfico).

Voltar ao topo da página

3.2.2 Cabeça-e-ombros

A partir desta figura da cabeça-e-ombros é derivada. Esta expressão vem da forma da figura, mostrando três topos consecutivos, o primeiro e o terceiro sendo da mesma altura, enquanto o segundo é mais alto (ver gráfico).

O principal elemento dessa figura é chamada "decote", correspondendo a uma linha horizontal que une os pontos baixos do segundo superior. Na verdade, estas figuras, muitas vezes, caracterizam uma inversão da tendência.

Até o segundo topo (cabeça), a ação está em pé sobre uma tendência de alta, que é dividido pelo desenho do segundo ombro. Em seguida, ele chega a uma tendência decrescente, o que é confirmado pelo cruzamento para baixo do decote após o segundo Até o segundo topo (cabeça), o estoque está em pé sobre uma tendência de alta, que é dividido pelo desenho do ombro segundo. Em seguida, ele chega a uma tendência decrescente, o que é confirmado pelo cruzamento para baixo do decote ombro após o segundo ombro.

Ainda assim, pode-se muitas vezes ter um fenômeno chamado de "pull back", o que corresponde a um retorno do direito de preços na região do decote. Esse retorno frequentemente corresponde a uma recuperação técnica, como geralmente ocorre em volumes baixos.

Mais precisamente, o aparecimento da cabeça (parte superior) pode ser previsto sempre que os volumes caírem significativamente, situando-se em um nível mais baixo em relação ao volume alcançado durante o primeiro ombro.

Em termos de meta, ele é calculado como o topo duplo, movendo-se a altura da figura (altura da cabeça em relação ao decote) no final da figura (cruzamento para baixo do decote). Evidentemente, uma figura simétrica pode ser desenhada no sentido descendente. É então chamado cabeça-e-ombros invertido.

Voltar ao topo da página

4 FIBONACCI : um indicador avançado

Este nome refere-se a um conjunto de considerações matemáticas e gráficas baseado na série de mesmo nome. Este último, formalizada no século 13 pelo famoso matemático italiano é expressa como:

a soma dos dois mandatos anteriores (isto é, Un +2 = Un +1 + Un), com os dois primeiros termos sendo 1 e 1 (ou seja, U0 = U1 = 1).

Os primeiros termos da série são assim: 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, ... Esta série tem muito numerosas propriedades interessantes, o mais útil é o limite de dois termos consecutivos da presente série. Na verdade, a relação Un+1 / Un visa a proporção de ouro (cerca de 0,618) para n infinitamente alta.

No campo das finanças, este proporção e suas frações são usadas para determinar a resistência e os níveis de apoio, bem como os alvos. As principais proporções utilizadas são 38,2%, 50% e 61,8%. Elas são usadas para determinar o que é chamado de "retracements".

Tomemos o exemplo de uma ação, que após o anúncio de boas notícias ou uma onda de especulação, sobe de 100 (o nível em torno do qual geralmente evolui) para 300 em poucas semanas. Se ocorre uma diminuição do nível 300, corresponde ao lucro obtido ou consciência do excesso do aumento, que pode ser interessante para medir a extensão dessa correção antes de um novo movimento para cima, ou pelo menos um rebote ou no final da tendência de baixa.

Neste caso, podemos esperar que a ação encontre um apoio depois de ter caído de 38,2% do movimento ascendente. Este último representa 300-100 = 200, a extensão da queda é 0,382 x 200 = 76,4. Um apoio pode assim aparecer no 300-76,4 = 223,6. Os investidores mais confiantes, assim poderiam comprar as ações neste nível. Evidentemente, uma análise semelhante poderia ser feita no caso de uma queda corrigida por um movimento ascendente.

Muitas vezes, os níveis determinados por esses índices também correspondem a apoios e resistências, que ficam mais fortes como o tempo passa. Para além do papel de correções do alvo, as relações de Fibonacci podem também constituir limites, incentivando a venda de uma das ações após um aumento bastante significativo.

Voltar ao topo da página

5 Indicadores de tendência

5.1 Apresentação de indicadores

A análise técnica é composta de duas partes: análise gráfica e análise numérica. A primeira é essencialmente baseada na observação simples dos preços e os níveis de volumes, bem como a existência de figuras gráficas características. A segunda, em comparação, utiliza construções matemáticas. Com base nos preços (especialmente de fechamento e níveis extremos), os indicadores técnicos são criados.

Estes últimos podem pertencer a duas categorias, referindo-se ambas as facetas da psicologia dos investidores. Estes são indicadores de tendência, normalmente baseados em médias, de um lado e contra-indicadores de tendências, geralmente baseado em derivados por outro lado.

O principal interesse dos indicadores técnicos é a sua capacidade preditiva, quando a análise gráfica muitas vezes tem essa possibilidade somente quando as figuras são, pelo menos, parcialmente desenhadas. Isto é especialmente verdadeiro para os modelos de contra-tendência.

Voltar ao topo da página

5.2 Indicadores úteis

Voltar ao topo da página

5.2.1 As médias móveis

Os indicadores de tendência mais simples são as médias móveis. Elas simplesmente correspondem a uma média calculada em uma escala de tempo em evolução: a cada dia, o valor mais antigo (muitas vezes tomadas no final) no cálculo da média passa a ter o valor da nova sessão.

Conseqüentemente, o interesse de previsão deste indicador é nulo (uma vez que representa a evolução dos preços com um certo atraso). Ainda assim, ela permite determinar tendências de médio ou longo prazo, mais e mais forte que a direção média é constante.

Apesar da simplicidade deste indicador, o comprimento das médias utilizadas devem ser manuseados com cuidado. De fato, os analistas preferem utilizar duas médias móveis simultaneamente, com comprimentos bem diferentes para prever a inversão das tendências possíveis. Assim, será frequentemente em conjunto do uso de médias móveis calculadas em 20 e 50 dias, ou 50 e 100 dias...

Em particular, esta utilização simultânea torna possível determinar sinais de compra. Isso ocorre sempre que uma média móvel de curto prazo (por exemplo, 20 dias) atravessa uma média móvel de longo prazo (por exemplo, 50 dias) vindo de baixo e, portanto, vem acima. Isso expressa a tendência da ação para ter os seus preços mais recentes a um nível superior aos preços mais velhos, demonstrando uma tendência de alta.

Reciprocamente, um sinal de venda ocorre sempre que uma média móvel de curto prazo cruza para baixo (ou seja, de cima) uma média móvel de longo prazo e, portanto, vem abaixo.

No geral, o interesse de médias móveis é evitar ir contra a tendência do mercado, quando se segue um movimento forte.

Voltar ao topo da página

5.2.2 As faixas de Bollinger

Estes indicadores são derivados de médias móveis e visam preencher uma lacuna importante. Na verdade, médias móveis dão sinais de compra e venda de níveis pontuais, que podem assim serem rapidamente anuladas se o mercado inverte a muito curto prazo (durante a sessão ou de uma sessão para outra).

Assim, pode ser sábio, em vez de definir limites precisos, usar zonas definidas como intervalos de ambos os lados da média móvel. As faixas de Bollinger são construídas sobre este princípio. Esta figura é composta de três linhas de tendência: a média, superior e faixas mais baixas.

A faixa média corresponde a uma média móvel simples, muitas vezes calculado em 20 dias.

O nível da faixa superior, em cada ponto, corresponde à soma do nível da faixa de média e duas vezes o valor do desvio padrão associado à média móvel.

Reciprocamente, o nível da faixa inferior corresponde ao nível da faixa média diminuída por duas vezes o valor do desvio padrão associado à média móvel.

Um envelope do preço das ações é assim determinado. Isto torna possível identificar a margem de variação em que a ação deve ficar quase sistematicamente. No caso de uma ação na seguindo a lei de Gauss, 95% das negociações, assim, ocorrerem entre estas faixas.

Estes últimos, em seguida, constituem um apoio muito forte (faixa inferior) e resistência (banda superior) níveis. Estes níveis representam respectivamente níveis interessantes de compra e venda, especialmente quando não há tendência real aparece no mercado (e as faixas são, portanto, estáveis em ambos os lados da média), que permite jogar com um alvo de negociação (meta a curto prazo).

Em oposição, em uma tendência de mercado, as pistas dadas por bandas estão relacionados com a sua propagação. Na verdade, uma crescente difusão de bandas, um desvio padrão de crescimento, que é o sinal do início uma tendência forte. Variações Então, quando bandas estreitas, em ambos os lados da média móvel ficam menores, o que sugere o fim de uma tendência. Em seguida, é possível utilizar bandas como suportes e resistências.

Voltar ao topo da página

5.2.3 O MACD

Um dos indicadores técnicos mais comumente estudados é o MACD. Este indicador (Moving Average Convergence / Divergence) reflete a diferença entre as médias móveis e refere-se à ascendência ou não do meio-termo relativo ao curto prazo.

Os comprimentos médios considerados são, respectivamente, 26 dias (0,075 coeficiente exponencial) e 12 dias (coeficiente exponencial de 0,15).

Além disso, para estimar as variações de tendência, um indicador auxiliar (denominado linha de sinal) é formado. É baseado em uma nova média exponencial de 9 dias (0,20 coeficiente).

A vantagem deste indicador é tripla: posição absoluta do MACD, a posição em relação à sua linha de sinal e da existência de divergências.

Desde o primeiro ponto de vista, as situações de oversold e overbought podem ser identificadas. Assim, um forte aumento da MACD indica que o 12 dia de média móvel está aumentando mais rapidamente do que o 26-dia, mostrando assim uma forte volatilidade a curto prazo. Então, a travessia do nível zero, deve ser considerada com cuidado especial.

A partir do segundo ponto de vista, um dos concursos mais relevantes para a compra é a passagem acima da linha de sinal pelo MACD, especialmente quando ocorre nos níveis de reversão para o MACD (ver gráfico).

A partir do terceiro ponto de vista, as divergências podem ser identificadas entre a tendência MACD e aquela do preço das ações em um determinado período. Este fenômeno é marcado pelo aumento mais que proporcional ou diminuição da MACD comparação com a variação das ações (ver gráfico).

Voltar ao topo da página

5.2.4 O DMI

Ao contrário de outros indicadores, o DMI (Directional Movement Index) não visa definir excessos (áreas de oversold / overbought) ou divergências, mas sim a determinação das tendências, usado para identificar sinais de compra e venda.

Isso é muito mais complexo do que formar outros osciladores. Em primeiro lugar, os indicadores de pressão para comprar (+ MS) e vender (-DM) são identificados. Estas pressões são, então, expressas comoporcentagem da variação máxima do mercado no período, e uma média móvel destes indicadores são calculados, respectivamente, + e-DMI DMI.

Tomemos o exemplo de um período de 14 dias, com + DMI14 = 0,2 e-CMS = 0,36. Isto significa que 20% da gama de mercado nos últimos 14 dias foi feito no sentido ascendente e 36% sobre o lado negativo. Nesta faixa, 56% (0,2 + 0,36) foi direcional.

Assim, quanto mais direcional o mercado (no sentido ascendente e no sentido descendente), maior é a soma dos DMIs (soma DMI). Ainda assim, a diferença entre + e-DMI DMI é mais frequentemente calculado (dif DI). A informação dada sobre a tendência então é diferente: quanto maior esta diferença, mais direcional o mercado na mesma direção. A relação de soma DI diff / Di, expressa em porcentagem, em seguida, dá a DX, que é nivelada sobre o período (geralmente 14 dias) para formar ADX.

Uma vez que estes osciladores são construídos, torna-se bastante fácil de utilizá-los. Em primeiro lugar, pode-se comparar as respectivas posições de + DMI e - DMI. Se + DMI está acima de - DMI, a tendência na cabeça é forte, o que significa que os compradores ganham mais e mais. Em oposição, se + DMI está sob - DMI, esta é a tendência no sentido descendente, que é forte, e os vendedores tornam-se então os vencedores.

Além disso, os sinais também são dados pelo ADX. Como esta última ultrapassa 17, o mercado é considerado como seguindo uma tendência. Em seguida, é possível comprar (+ DMI acima DMI) ou vender (-DMI acima + DMI).

Finalmente, o ADX permite, junto com médias móveis, determinar a validade do último. Na verdade, como médias móveis, por vezes, têm sinais falsos, é possível comprar apenas quando o ADX mostra uma tendência, e em seguida a seguir as indicações dadas por médias móveis.

Voltar ao topo da página

6 Indicadores de Contra-tendência

6.1 Apresentação

Estes indicadores são numerosos, mas apenas alguns deles são comumente referidos. Eles correspondem à representação gráfica de cálculos matemáticos. Este último representa a evolução dos preços, e não o seu nível absoluto. Eles são chamados de osciladores, porque correspondem a uma estimativa das tensões no mercado e se comportam como uma função derivada.

Este aspecto é crucial para entender o princípio da representação dos osciladores. Por exemplo, um indicador técnico invertendo-se, ficando em uma jogada de posição depois de ter sido baixo, expressa o início de uma tendência de aumento na ação ao qual ele está relacionado. Simetricamente, este é o mesmo do lado descendente. O cruzamento de um nível médio por meio de indicadores exprime, portanto, um poder de mover-se em seu clímax deixando esperar um ritmo menor a tendência à frente de uma reversão.

Voltar ao topo da página

6.2 Níveis de Oversold (excesso de venda)/ Overbought (excesso de compra)

O primeiro interesse dos osciladores, ligado ao seu status de indicador de tensão, é marcar níveis sensíveis, prevendo uma eventual inversão. É por esta razão que os conceitos de "overbought" e "oversold" foram criados. Estes níveis correspondem aos excessos do mercado. Por exemplo, no caso de uma situação de “excesso de compra” (overbought), a ação aumentou de forma sustentada, sem consolidação ou correçãode forma significativa, deixando, assim, a expectativa de uma reversão iminente. Isso é expresso pelo oscilador em alto nível, numa zona, que foi definido como área oversold e que mostra a tensão existente no mercado. Este também é o caso, simetricamente, no sentido descendente, enquanto, entre as duas extremidades, o mercado é considerado neutro.

Ainda assim, a leitura dessas zonas de overbought e oversold pode ser mais complexa. Com efeito, os osciladores podme assumir duas formas diferentes, com ou sem limites. Os indicadores com as fronteiras evoluis entre dois limites fixos (geralmente 0 e 100). Em seguida, é fácil de determinar essas zonas (por exemplo acima de 75 para overbought e abaixo de 25 para oversold). Em comparação, os indicadores, sem limites, por definição, não têm limites teóricos sobre o lado positivo e sobre o lado negativo, o que torna mais difícil a criação dessas zonas. No entanto, embora seja descuidado para comprar em um mercado já overbought, a análise exclusiva do nível do indicador não significa necessariamente dar todas as informações (ver gráfico).

Voltar ao topo da página

6.3 Divergências

O elemento principal da análise de indicadores, apesar de muitas vezes subestimado, encontra-se no princípio de divergências. Isso corresponde a uma desconexão entre a evolução dos preços e aqueles do indicador (ver gráfico). Um irá considerar, portanto, uma descida (uma subida) divergente quando o oscilador está seguindo uma tendência de descida (subida), embora os preços ainda estejam subindo (caindo).

Este fenômeno está diretamente ligado ao estado da função derivada de indicadores. Na verdade, uma diminuição do indicador, enquanto os preços estão subindo, indica que este aumento deve-se prosseguir a um ritmo inferior. Esta falta de fôlego do mercado, em seguida, permite esperar uma reversão no sentido descendente. Ainda assim, esta abordagem só é válida quando ligada ao aspecto anterior, ou seja, a presença do oscilador em uma área de oversold ou overbought. Na verdade, estas zonas são o lugar predileção para a inversão de tendência, porque marca uma tendência ininterrupta. Em comparação, uma neutralidade (ver gráfico) dos mercados torna bastante improvável a falta de fôlego e, portanto, pouca relevância para a análise das divergências. Além disso, as divergências são sinais premonitórios, é muitas vezes descuidado para agir em consequência apenas após a aparição de divergências. Em seguida, é muito mais seguro para verificar se eles são validados ou não, ou seja, se o indicador pode repercutir sobre o soverbought ou na linha de oversold (ver gráfico).

Voltar ao topo da página

6.4 Valores gráficos

Além de cálculos sobre os indicadores, este último também pode fornecer informações por si próprio, assim como os preços das ações. As tendências e os valores podem assim ser identificados. Os indicadores também podem colidir com resistências ou terreno em suportes. Este aspecto também é interessante porque a ruptura de tendência nos osciladores freqüentemente precede os preços de ações. Dentro deste quadro, a zona de neutralidade (correspondente à média dos limites para os indicadores com limites) é especialmente supervisionada, uma vez que muitas vezes constitui um importante suporte ou resistência.

Além disso, é possível utilizar filtros. Por exemplo, muitas vezes, é sábio comparar osciladores com sua média móvel em um determinado número de dias para eliminar variações pontuais e não- significativas. Torna-se possível a criação de um método sistemático, com base no princípio fundamental de indicadores: não indo contra a tendência. Esta regra consiste em comprar, porque o oscilador quebra acima do nível zero, enquanto ele está acima de sua média móvel e, para vender porque este nível é cruzado para baixo, com os indicadores virando e cruzando o nível zero.

Este conjunto de indicadores de contra-tendência se baseia numa observação simples: quando os preços das ações estão em uma tendência de alta, fecha nos níveis mais altos de um dia para outro, quando os preços das ações estão em tendência de baixa, fecha no menor e nos níveis mais baixos. Combinando ambas as conclusões, torna-se possível prever reversões logo que topos aparecem novos, mas com fecha no lado de baixo.

Voltar ao topo da página

6.5 O RSI

Este indicador (também conhecido como Índice de Força Relativa), visa estabelecer uma escala de referência, independentemente dos preços dos mesmos níveis de ações. Como o RSI tem limites (0 e 100), então torna-se muito fácil de determinar áreas de overbought e oversold. Assim, o RSI é um dos mais usados indicadores de tendência contrária.

Baseado na média dos aumentos e quedas de uma ação, com a seguinte fórmula:

RSI = 100 – [100 / (1 + RS)]

onde RS representa a média do fechamento de cima pela média do fechamento de baixo no período considerado.

Conseqüentemente, menor o período estudado, mais volátil o RSI. Dependendo dos hábitos de negociação, os comprimentos mais ou menos curtos podem assim ser usados, mas o comprimento mais comum é de 14 dias.

Em um gráfico, as linhas podem ser desenhadas em 30 e 70. Um cruzamento abaixo de 30 indica que o mercado está oversold quando um cruzamento acima de 70 indica que o mercado está overbought.

Assim como para o MACD, é possível atenuar sinais dados pelo RSI, formando dois RSI em dois períodos diferentes. Em seguida, uma passagem acima do RSI de longo prazo pelo curto prazo RSI constitui um sinal de compra quando um cruzamento de baixo a longo prazo RSI pelo RSI de curto prazo constitui um sinal de venda.

O princípio de divergências também é aplicável ao RSI, e é mais facilmente aplicável do que no MACD, como as áreas de overbought e oversold podem legitimamente serem desenhadas.

Finalmente, assim como sobre os preços das próprias ações, suportes e resistências podem aparecer, principalmente quando se aproximam da zona de neutralidade (perto de 50).

Voltar ao topo da página

6.6 Oscilador Estocástico (por METASTOCK)

O Oscilador Estocástico compara onde o preço fechado de segurança em relação à sua faixa de negociação ao longo dos últimos x períodos de tempo.

A fórmula para o parâmetro K% da Estocástica é:

%K = 100 x [ (C – Lx) / (Hx – Lx) ]

Por exemplo, para calcular um 10dias-K%: Primeiro, encontre o mais alto de segurança de alta e baixa mais baixa/ dos últimos 10 dias. Para este exemplo, vamos supor que, durante os últimos 10 dias a maior alta foi de 46 e a mínima mais baixa foi de 38 - um conjunto de 8 pontos. Se o preço de fechamento de hoje foi de 41,% K seria calculado como:

O 0,375 neste exemplo mostra que o fechamento de hoje foi a nível de 37,5% em relação ao intervalo de segurança de negociação nos últimos 10 dias. Se o fechamento de hoje foi de 42, o Oscilador Estocástico seria de 0,50. O 0,50 mostraria que a segurança fechou hoje em 50%, ou o ponto médio, por sua escala de negociação 10-dias.

O exemplo acima usou um Período% K lento de 1-dia (não retardando). Se você digitar um valor maior que um, o MetaStock irá encontrar a média da alta mais alta e da baixa mais baixa sobre o número de períodos lentos % K antes de executar a divisão.

A média móvel de % K é calculada utilizando o número de períodos de tempo especificados nos Períodos D%. Esta média móvel é chamado % D.

Finalmente, o MetaStock multiplica todos os valores estocásticos por 100 para alterar os valores decimais em porcentagens para melhor dimensionamento (por exemplo, 0,375 é apresentado como 37,5%).

O Oscilador Estocástico sempre varia entre 0% e 100%. Uma leitura de 0% mostra que o fechamento de segurança foi o preço mais baixo que a segurança foi negociada durante os últimos x períodos de tempo. Uma leitura de 100% mostra que o fechamento segurança foi o preço mais alto que a segurança foi negociada durante os últimos x períodos de tempo.

Osciladores estocásticos podem ser usados tanto a curto como a médio prazo e os osciladores de negociação depende do número de períodos de tempo utilizados no cálculo do oscilador. Ao exibir um Oscilador Estocástico (por exemplo, 5-25 dias) de curto prazo, é comum diminuir o valor% K por 3-dias.

Existem várias maneiras de interpretar um oscilador estocástico. Três métodos mais populares incluem:

- Compra quando o oscilador (ou K% ou% D) cai abaixo de um nível específico (por exemplo, 20) e, em seguida, sobe acima desse nível, e vende quando o oscilador sobe acima de um nível específico (por exemplo, 80) e depois cai abaixo desse nível. No entanto, antes de basear todo o comércio fora dos níveis estreitos de overbought / oversold é recomendável que você primeiro qualifique a tendência do mercado com base em indicadores como o r2 (ver r2) ou CMO (ver Chande Momentum Oscillator). Se esses indicadores sugerem um mercado sem tendências, então, negociações com base no estreito nível de overbought / oversold devem produzir os melhores resultados. Se um mercado com tendência é sugerido, então você pode usar o oscilador para introduzir operações na direção da tendência.

- Compra quando a linha% K sobe acima da linha D% (pontilhada) e vende quando a linha% K cair abaixo da linha% D.

- Olhe para as divergências. Por exemplo, quando os preços estão fazendo uma série de novas altas e o Oscilador Estocástico não está conseguindo superar suas elevações anteriores.

A constituição desses indicadores é mais complexa do que a de outros osciladores. Um primeiro oscilador, denominado K%, é constituído com a seguinte fórmula:

%K = 100 x [(C – Lx) / (Hx – Lx)]

onde C representa o último preço de fechamento, Lx o preço mais baixo dos últimos x dias e Hx o preço mais alto nos últimos dias x. O comprimento mais comum usado é de cinco dias.

Assim, quando o mercado está em suas elevações, o preço de fechamento está perto de seus picos dos últimos dias. A relação, então, tende a 1% e do oscilador K para 100. Ao contrário, no sentido descendente, a relação tende a 0, assim, faz% K.

K%, portanto, expressa as tensões do mercado (oversold ou overbought) da maneira RSI, mas, ao contrário da última, está relacionada aos preços extremos e não os preços muito próximos.

Um segundo indicador,% D, então, é constituído, de forma a facilitar % K, com a seguinte fórmula:

%D = 100 x Hy /Ly

onde Hy representa a soma (C - Lx) nos últimos y dias e Ly a soma de (Hx - Lx) nos últimos y dias, com y < x. Em outras palavras, D% é uma média de% K (x dias), expressa nos y dias passados. Este novo comprimento geralmente é de três dias.

Apesar desta facilitação, continua a ser difícil a comparação% D e K% porque % K pode facilmente chegar de 0-100 de uma sessão para outra. Então,% D se torna o novo indicador de referência. Um terceiro indicador, slow% D, em seguida, é criado para facilitar o funcionamento de % D. Este indicador é formado pela média do D% em três dias. % D e % D lento são então são chamados, respectivamente, rápido e lento estocásticos.

Estocásticos podem ser usados de diversas formas. Primeiro, a presença do estocástico rápido nos extremos (perto de 0 ou 100) indica situações de oversold e overbought. Apesar da suavização de %K por % D, este indicador continua volátil, o que torna difícil a utilização neste âmbito. Reciprocamente, essa forte volatilidade faz com que seja possível considerar que, se D% permanece em níveis elevados (baixa) por um longo tempo, os preços das ações estão em pé em uma forte tendência de aumento (decrescente).

Além disso, os sinais de compra (venda) ocorrem quando o estocástico está lento em baixos (elevado) níveis e cruza-se agora (abaixo) o estocástico lento.

Finalmente, por causa dos outros indicadores com fronteiras, divergências entre a evolução do oscilador dos preços das ações podem ocorrer.

Voltar ao topo da página

 
  Aviso Legal  |  Política de Privacidade   |  Parceiros Copyright © 1999-2021 TRADING Central Todos os direitos reservados.